logotipo
CONTATO
Canal da CBTE no Youtube   Fanpage da CBTE no Facebook   Procura no site   Perguntas Frequentes
14/07/2017
AGE da ISSF discute futuro das 3 disciplinas excluídas do programa de Tokyo 2020
No dia 25 de junho deste ano ocorreu em Munique/ Alemanha a Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da ISSF (International Shooting Sport Federation), solicitada por mais de 25 federações nacionais filiadas à ISSF, dentre as quais a CBTE está incluída, invocando o Artigo 1.6.3 do Estatuto da ISSF. Com o objetivo de discutir e buscar soluções plausíveis para manter os 3 eventos que estariam sendo cortados do programa Olímpico de Tóquio 2020: Carabina Deitado 50m, Pistola Livre 50m e Double Trap.

A motivação inicial que levou a convocação da AGE foi a maneira com que a ISSF discutiu e decidiu, através de um Comitê Ad-Hoc, o novo formato dos 15 eventos da disciplina de tiro esportivo para os Jogos Olímpicos de Toquio 2020.

Para que haja o entendimento completo dos fatos cabe uma explicação inicial: o fato gerador da presente modificação no programa de eventos dos Jogo Olímpicos foi a Agenda Olímpica 2020, formulada e aprovada pelo Sr. Thomas Bach, Presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), em 7 de dezembro de 2014, e encaminhada às Federações Internacionais de Desportos logo em seguida. Nela, entre outras recomendações, constava uma orientação de que cada Federação (no caso do Tiro Esportivo a entidade responsável é a ISSF) deveria “buscar”, da melhor maneira possível, estabelecer a igualdade de gênero em seus eventos Olímpicos. No caso do Tiro Esportivo, houve até os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, 15 eventos assim distribuídos:

- Carabina: 5 eventos (3 masculinos e 2 femininos)
- Pistola: 5 eventos (3 masculinos e 2 femininos)
- Prato: 5 eventos (3 masculinos e 2 femininos)

Dada a constatação de que existia o desequilíbrio entre eventos masculinos e femininos, coube à ISSF fazer uma nova proposta para buscar o estabelecimento da igualdade. Uma vez que essa agenda foi feita em 2014, havia um bom tempo para que fossem feitas discussões no âmbito das Federações Internacionais de Tiro Esportivo, dos técnicos, juízes e dirigentes e que fossem consultados os atletas, com especial atenção “as atletas” sobre o que seria melhor para seus interesses uma vez que o objetivo dessas alterações é deixar as mulheres, que até então disputavam apenas 2 medalhas em cada Olimpíada, com as mesmas condições de chegar ao pódio que os homens.

A decisão da ISSF foi de montar um Comitê Ad-Hoc, formado somente por homens, já integrantes da ISSF, tendo como dirigentes o Secretário-Geral da ISSF, Sr. Franz Schreiber e o Vice-Presidente da ISSF, Gary Anderson. Este comitê foi estabelecido em 2014, fez uma análise de dois anos e divulgou a sua decisão no dia 24 de novembro de 2016:

- Substituir a Prova de Carabina Deitado 50m por Prova Mista de Carabina de ar 10m;
- Substituir a Prova de Pistola Livre 50m por Prova Mista de Pistola de ar 10m;
- Substituir a Prova de Double Trap por Prova Mista de Trap

A data limite para que a ISSF fizesse sua proposta para o COI era 28 de fevereiro de 2017.
Nos 3 meses seguintes a proposta feita pelo Comitê Ad-hoc sofreu sérias críticas e foi submetida à diversos questionamentos e insatisfações da comunidade internacional. Contudo a proposta foi mantida e, sem nenhuma alteração, foi enviada ao COI.

Após feita a proposta, a ISSF fez vários pronunciamentos oficiais com o objetivo de explicar à comunidade mundial de nosso esporte o procedimento utilizado para tomar sua decisão.

Uma vez feita a proposta pela ISSF a decisão passou a ser do COI, que através de seu Conselho Executivo discute e elabora o novo calendário de eventos para os Jogos Olímpicos de Toquio 2020. A previsão inicial de reunião do Conselho Executivo do COI era 27 de julho, contudo no dia 9 de junho o Diretor de Esportes do COI, Sr Kit McConnell, fez um comunicado à imprensa, na cidade de Lousane/Suíça, sede do COI, onde anunciou antecipadamente as mudanças nos eventos desportivos para os Jogos Olímpicos de 2020.

Feita essa apresentação dos fatos cabe ressaltar que a AGE foi aceita pela ISSF e convocada no dia 25 de abril, sendo agendada para dois meses depois.

Neste contexto, a AGE iniciou, às 13h, com a presença de 137 Federações Internacionais, e foi aberta pelo Presidente da ISSF Sr. Olegário Vasquez Raña e conduzida pelo Secretário-Geral da ISSF Sr. Franz Schreiber. Inicialmente foram apresentadas as explicações, por parte da ISSF, do procedimento adotado para a tomada de decisão por parte do Comitê Ad-Hoc. Explanaram o Sr. Jörg Brokamp, Presidente do Comitê Técnico da ISSF e integrante do Comite Executivo da ISSF e o Sr. Peter Underhill, Presidente do Comitê de Juizes da ISSF, ambos deixando claro que houve a falta de comunicação entre a ISSF e suas federações, mas que infelizmente a decisão do COI já havia sido consolidada no dia 9 de junho, não cabendo recurso sobre o pleito de 2020. Ainda fizeram uso da palavra o Sr. Abhinav Bindra, Presidente da Comissão de Atletas da ISSF e o Sr. Kit McConnell, Diretor de Esportes do COI.

Dadas as explanações feitas ficou aprovada pelos presentes a proposta para os Jogos Olímpicos de Tóquio, 2020, uma vez que não cabia recurso.

A ISSF, durante as explicações teve como objetivo deixar claro que as disciplinas excluídas do programa dos Jogos não deixam de ser Olímpicas, permanecendo nos calendários internacionais (Campeonatos Mundiais, Competições Continentais, Regionais e Nacionais) e se prontificou a estabelecer um novo fórum de discussão sobre como será o calendário de eventos para os Jogos Olímpicos de 2024 em diante, inclusive sobre um possível retorno das disciplinas que estão ficando fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Como o objetivo da convocação da AGE foi o de tentar solucionar o problema das modalidades suprimidas dos Jogos Olímpicos 2020 e como foi proposto pela própria ISSF a criação do fórum para uma discussão futura dos eventos para 2024 em diante, foi proposto pela Federação do Brasil que as 3 modalidades que não farão parte do calendário olímpico em 2020 permanecessem no calendário de eventos da ISSF, Copas do Mundo e Copas do Mundo Final, com o objetivo de manter a prática por parte dos desportistas e possibilitar que tenhamos mais dados para a análise por parte do fórum que será montado oportunamente. E foi dito por parte da ISSF que esta proposta seria analisada posteriormente.

Por fim, foi solicitado pelo Presidente da ISSF, unidade por parte das Federações Internacionais e foi reforçado que a elaboração e divulgação dos programas definitivos dos novos eventos mistos serão uma prioridade neste momento, de tal forma que os atletas possam se preparar adequadamente.
tag: #toquio2020
por: CBTE