COB QUER O PAN COMO ESCADA PARA OLIMPÍADA/2012

Facebook
WhatsApp
Email

Nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, que serão disputados entre 14 e 30 de outubro, o Brasil terá chance de já classificar em torno de cem atletas para a Olimpíada de Londres-2012. E é esse o objetivo do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), segundo Marcus Vinícius Freire, superintendente executivo de Esportes.

– Queremos já montar uma escada para 2012. E sabemos que a briga será muito dura. É preciso deixar claro que não existe possibilidade – nenhuma – de batermos o número de medalhas que tivemos no Pan do Rio-2007, o melhor resultado do nosso esporte. Historicamente, comeptir em casa resultado no melhor resultado do país.

Em São Domingos-2003, foram 123 medalhas do Brasil, sendo 29 de ouro; no Pan do Rio-2007, 157 no total, com 52 de ouro.

Na luta por vaga olímpica

Não são todos os esportes dos Jogos Pan-Americanos que valem vaga para a Olimpíada seguinte – os critérios de classificação olímpica variam de acordo com as Federações Esportivas Internacionais.

De acordo com o COB, classificam-se para Londres-2012 campeões de 15 modalidades: triatlo, handebol, saltos ornamentais, hóquei sobre a grama, nado sincronizado, pólo aquático, tênis, tênis de mesa, canoagem (algumas provas) e tiro esportivo (ouro e prata da fossa e do skeet).

O judô vale pontos para o ranking – que por sua vez classificará os atletas para a Olimpíada.

Hipismo e pentatlo têm vaga regional – para os melhores do continente.

Atletismo e natação têm provas valendo índices para classificação olímpica.

A força de Cuba e Canadá

Marcus Vinícius acredita que Cuba será a grande adversária do Brasil.

– Em 2007, tivemos mais medalhas que os cubanos, mas eles ficaram à frente em ouros [157 a 135, sendo 52 a 59, com os Estados Unidos no topo do quadro de medalhas: 237, sendo 97 ouros].

A seguir, Marcus Vinícius cita o Canadá.

– Primeiro, porque eles terão a sede do Pan-2015, em Toronto. E também estarão querendo fazer o Pan de Guadalajara como escada para a competição em casa.

Além disso, a Olimpíada de Inverno de Vancouver criou um reflexo muito positivo para o país, segundo o dirigente do COB.

– Vancouver teve repercussão muito forte no Canadá, que chegou na frente de Rússia e Estados Unidos. Para o movimento olímpico deles foi muito bom. Tiveram patrocinadores renovados para 2012.

Paises que vêm chegando

Venezuela, Colômbia e Argentina são lembradas a seguir.

– A Colômbia já foi muito bem nos Jogos Sul-Americanos, em casa [Medellín-2010 teve o país no topo do quadro de medalhas, com o Brasil em segundo lugar]. A Argentina mudou o comando do Comitê Olímpico e vem forte.

Ainda segundo o dirigente, depois da morte do antigo presidente do Comitê Olímpico Argentino o cargo foi assumido por um banqueiro, que tem ligação com uma empresa telefônica.

– A reformulação foi grande. Ele conseguiu um monte de investidores e parece que um percentual das ligações de celulares será endereçada ao esporte. A Argentina será uma concorrente forte, depois de estar abaixo.

México, a incógnita

E, se os Estados Unidos estão sempre acima dos outros países, mesmo não comparecendo com força total, o México – sede, com Guadalajara – é sempre “uma incógnita”.

– O país está muito próximo dos Estados Unidos e tem muitos atletas treinando lá, em grandes centros. No Pan, eles estarão em casa. Conhecem os locais de competição, têm a torcida ao lado, o incentivo de governo e de patrocinadores…

Segundo Marcus Vinícius, membros do COB estiveram em novembro em Guadalajara e voltarão em maio.

– Estava tudo em ordem. A Vila Pan-Americana é que estava um pouco atrasada, mas pelo tivemos de informação as obras já andaram bem. Talvez as subsedes compliquem um pouco.

Facebook
WhatsApp
Email

Deixe o seu comentário!

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.