layout layout
PRINCIPAL ADMINISTRATIVO TÉCNICO INTERAÇÃO INFORME DIVERSOS CONTATO
 NOTÍCIAS
27/04/2016
Antes emprestadas armas do tiro agora são 'customizadas'
Primeiras medalhas no esporte vieram com equipamento dos EUA

O Brasil é o País do futebol? Não há como duvidar que o esporte bretão é o mais popular em terras tupiniquins. Entretanto, a primeira grande conquista esportiva de brasileiros foi no tiro esportivo. Foi na modalidade no longe ano de 1920, em Antuérpia, na Bélgica, que Guilherme Paraense conquistou a primeira medalha de ouro para o Brasil nos Jogos Olímpicos. No Rio-2016 serão nove atletas, mas uma coisa permanece igual: a qualidade dos equipamentos é parte fundamental para a briga pelo pódio.

Na ocasião, naquele começo de século, a equipe brasileira contou com a ajuda dos atletas norte-americanos para ter uma qualidade maior em suas armas de competição. Parte das pistolas e da munição do País foi roubada durante o trajeto de trem até a Bélgica. Afrânio Antônio da Costa, capitão da equipe brasileira, acabou fazendo amizade com a delegação dos EUA, que cedeu duas pistolas Colt ao time nacional. Elas ajudaram os brasileiros a ganhar medalha.

"Nesta ocasião, o coronel Snyders, do Exército Americano e capitão da equipe de pistola livre, me disse: 'Sr. Costa, essa arma não vale nada, vou arranjar duas para os senhores, feitas especialmente para nós pela fábrica Colt’' E voltou pouco depois trazendo duas belíssimas armas. Retificadas as armas por ele próprio, entregou-as desejando melhor resultado", narrou Afrânio no relatório oficial entregue às autoridades após a competição.

Hoje, entre carabinas, pistolas e espingardas, uma "caridade" dessa não seria possível. Há peças e armas feitas sob medida para os competidores, as munições são garimpadas nos melhores fabricantes do mundo e os ajustes feitos por cada atleta fazem a diferença tanto quanto a qualidade do atirador. "São armas pessoais, cada equipamento é adaptado para cada um dos atletas. Influi o tamanho da mão e do braço", explica Durval Balen, presidente da CBTE. "São adaptáveis. Hoje, por exemplo, as empresas já podem fornecer armas e equipamentos de acordo com a solicitação feita pelo atleta. Os materiais são mais leves em alguns casos", completa.

Ao todo serão 15 provas. No masculino são: carabina de ar 10m, carabina deitado 50m, carabina três posições 50m, pistola de ar 10m, pistola de tiro rápido 25m, pistola 50m, Fossa Olímpica, Fossa Double e Skeet. No feminino há menos disputas: carabina de ar 10m, carabina três posições 50m, pistola de ar 10m, pistola 25m, Fossa Olímpica e Skeet.

Particularidades
Não é em todas as provas que a personalização da arma é permitida, no entanto. Na Carabina de ar 10m, por exemplo, todos os atletas utilizam uma carabina "standard". Já os ajustes permitidos são controlados pelos organizadores da modalidade, como a ISFF (Federação Internacional de Tiro Esportivo, em inglês), mas eles fazem a diferença. Nas carabinas, pequenas variações podem fazer toda a diferença. A coronha e a ação (o cano) são parafusadas. Já o apoio para o ombro, chamado de soleira, varia para cada prova e se ajusta ao ombro do atleta, mudando altura, curvatura e ângulos. O apoio da bochecha também é feito para se adaptar ao osso malar e o tamanho da face (mais cheinha ou seca) do atleta, altura do olho e inclinação em que a cabeça fica. No tiro ao prato, que utiliza armas calibre 12, a coronha é constantemente trocada para encaixar com precisão no atleta.

"A compleição física do atleta é medida, o encaixe dele na arma tem de ficar perfeitamente ajustado, como se fosse parte integrante de seu corpo", explica Balen, da CBTE.

Dificuldades
Entretanto, nem tudo é perfeito na vida dos atletas brasileiros. Se a tecnologia ajuda, a burocracia atrapalha. Segundo o presidente da Confederação Brasileira de Tiro Esportivo, juntamente com o custo, as restrições às armas esportivos são o principal entrave a modalidade no Brasil. "A legislação dificulta enormemente a prática do tiro esportivo aqui no Brasil. Essas barreiras, que surgiram em função do Estatuto do Desarmamento e até hoje não houve nenhuma alteração nesse sentindo, atrapalham. Não é feita distinção entre o equipamento do tiro esportivo e armas para defesa pessoal do cidadão comum. Só pode adquirir arma uma pessoa com 25 anos de idade, e temos um atleta com destaque no mundo, que é o Felipe Wu, que tem 23 anos de idade. Pode praticar apenas porque ele é militar", conta Durval Balen.
por: esportes.estadao.com.br
ADMINISTRATIVO
Ações Administrativas
CNTE
Comunicados
Contabilidade
Comunicados
DIRETORIA
Estatuto
Federações
Licitações
Presidentes
Quem Somos
Regimento Geral
STJD - CBTE
TÉCNICO
Atletas CBTE
Campeonato Brasileiro
Calendário
Emissão de Certificado
Programas
Projeto CNTE 2016
Provas On-line
Ranking
Recordes
Resultados
Árbitros Internacionais
Árbitros Nacionais
Instrutores
Legislação
Regulamentos e Normas
Seleção Brasileira
INTERAÇÃO
Cadastro On-Line
Carteira de Associado
Classificados
Pagamentos
INFORME
Alvo da Imprensa
Colunistas CBTE
História e Curiosidades
Notas Rápidas
Notícias
Novidades
Perguntas Frequentes
DIVERSOS
Área Médica
Galeria de Fotos
Links
Textos
Vídeos
Confederação
Associada
COB 100 anos
Entidade
Conveniada
Liga Nacional de Tiro ao Prato
Confederação Brasileira de Tiro Esportivo
Rua Miguel Couto, 105 sala 922 - Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20070-030
Tel.: 55 21 2223-3313 / Fax: 55 21 2283-0522
APOIO AO NOSSO ESPORTE
International Shooting Sport Federation Ministério do Esporte Comitê Olímpico Brasileiro
Shooting Portal
Certificados de Participação Resultados Anteriores